Deborah Colker volta a Florianópolis com seu mais recente trabalho

Deborah Colker volta a Florianópolis com seu mais recente trabalho, o espetáculo "Cura", nos dias 26 e 27 de março de 2022 (sábado e domingo), às 21h e às 19h, Teatro do CIC.

Nos últimos anos, Deborah dedicou seu tempo a buscar uma cura. No caso, uma solução para a doença genética que seu neto tem, a epidermólise bolhosa. Dessa angústia pessoal nasceu o novo trabalho da Cia. Deborah Colker, um espetáculo que vai muito além do aspecto autobiográfico. “Cura” trata de ciência, fé, da luta para superar e aceitar nossos limites, do enfrentamento da discriminação e do preconceito. A dramaturgia é do rabino Nilton Bonder e a trilha original é de Carlinhos Brown.

O espetáculo estreou em 6 de outubro de 2021, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, e passou por nove cidades, com um total de 48 apresentações, e um público total de 50.000. Já a turnê 2022, teve estreia no dia 27 de janeiro, no Teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro.

Cia. Deborah Colker - Espetáculo “Cura”

A coreógrafa concebeu o projeto em 2017, mas foi no ano seguinte, com a morte de Stephen Hawking, que encontrou o conceito. Embora acometido por uma doença degenerativa, a ELA (Esclerose lateral amiotrófica), o cientista britânico viveu até os 76 anos e se tornou um dos nomes mais importantes da história da física. Deborah percebeu que há outras formas de cura além das que a medicina possibilita. – Quando foi diagnosticado, os médicos deram a Hawking três anos de vida. Ele viveu mais 50, criativos e iluminados. Entendi o que é a cura do que não tem cura – conta.

A estreia aconteceria em Londres em 2020, mas a pandemia não permitiu. O adiamento deu ao espetáculo mais um ano de pesquisas, transformações e reflexões. – A pandemia me fez ter certeza de que não era apenas da doença física que eu queria falar. A cura que eu quero não se dá com vacina – afirma.

Há dores mostradas no palco, mas há esperança no final. Ela diz que procurou preservar a alegria necessária à vida. Um ingrediente para isso foi a semana que passou em Moçambique durante a preparação, quando conheceu pessoas que não perdiam a vontade de viver, apesar das muitas dificuldades.

O espetáculo apresenta todos os recursos imunitários e humanitários em aliança pela cura. A ciência, a fé, a solidariedade e a ancestralidade são o coquetel de cura do que não tem cura. Concebido antes desta pandemia, o título não é um “conceito”, mas um grito! – afirma Bonder.

Companheiro de Deborah em toda a trajetória, o cenógrafo e diretor de arte Gringo Cardia é outro que destaca a importância de “Cura” para a artista. – Ela era toda ciência. Passou por um crescimento espiritual. Foi conversar com Deus neste espetáculo – afirma.

O iluminador Maneco Quinderé, que só havia trabalhado com a companhia em “Vulcão” (1994), também criou uma luz fragmentada, como sugerem as ideias de “Cura”. O final tem brilho, indicando renascimento. – Cada segmento tem suas características, e eles formam um caleidoscópio – diz ele.

Cura - Cia. Deborah Colker em Florianópolis

Quando: 26 e 27 de março

Hora: 21h no dia 26 de março e 19h no dia 27 de março

Onde? Teatro do CIC - Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5600 – Agronômica – Florianopolis / SC

Informações: (48) 3664-2628

Duração: 1h15min (sem intervalo)

Classificação: Livre

”Conforme Decreto Municipal, será exigido a apresentação do Passaporte Vacinal, e uso de máscara, para ingresso e permanência no evento."