Engenheira do Rosa conquista vaga no Conselho da Cidade

O Centro Paroquial da Araçatuba, em Imbituba, esteve lotado na noite dessa terça-feira, 5, para a eleição de um representante da sociedade civil para o Conselho da Cidade. A região Norte de Imbituba tem agora como representante a engenheira civil e ambientalista Regina Pedreira. Ela foi eleita com grande margem de votos à frente do comerciante de praia Vitinho.

Os bairros do Norte de Imbituba pertencem à Região V da cidade. Integram o grupo a Ibiraquera, Barra de Ibiraquera, Araçatuba, Campo D’Una, Alto Arroio, Arroio, Arroio do Rosa e Penha. “Nasci em Porto Alegre e há mais de 40 anos tomei uma decisão que norteou minha vida. Viver aqui na Praia do Rosa”, apresenta-se Regina.

Ela é engenheira civil e tem especialização em Desenvolvimento Sustentável. “Durante minha vida viajei muito. Conheci vários países e compreendi como é fácil e lamentável a descaracterização de um lugar. Sem o devido cuidado, lugares lindos podem perder o que tem de mais valioso: suas origens, sua cultura e suas paisagens exuberantes”, alerta a ambientalista.

A Eleição do Conselho da Cidade de Imbituba (CONCIDADE/IMBITUBA), foi relativa ao biênio 2022/2024. Regina também desmistifica o termo Desenvolvimento Sustentável. “É aquele que progride economicamente, mantendo vivos os recursos naturais e culturais, e um equilíbrio social que promova aos indivíduos qualidade de vida”.

Em 1999, Regina e outros atores sociais da Praia do Rosa iniciaram um pleito junto a Prefeitura para elaborar um novo Plano Diretor, dentro das premissas do Desenvolvimento Sustentável e do Estatuto das Cidades, no que se refere à participação da comunidade. “Participei, desde o início da elaboração do Plano Diretor que hoje é vigente e está em fase de revisão”.

Ela afirma que Imbituba é um lugar turístico conhecido internacionalmente pela sua natureza linda e baleias. “Todos que aqui vivem se sustentam de uma forma ou de outra através do turismo. E para ter um turismo de qualidade, precisamos proteger nossa natureza, manter nossas paisagens e nossa cultura, pois estas são nossas verdadeiras riquezas. Isto não significa que nada mais poderemos fazer ou ter. Significa, que UNIDOS mais uma vez, poderemos decidir COMO manter nossas belezas para que tenhamos sempre turistas que valorizem o que é nosso, assim como nós valorizamos”, finaliza a vitoriosa do pleito.