Estudantes promovem oficina de teatro para mulheres idosas em Tubarão

Ascom/Udesc

Os estudantes de Licenciatura em Teatro, do Centro de Artes (Ceart), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), Geruza Bandeira e Túlio Fernandes realizam a oficina “Teatro e Memórias da Grande Enchente”, na cidade de Tubarão. Serão quatro trabalhos voltados à iniciação teatral, com mulheres idosas em vulnerabilidade social e atendidas nos Centros de Referência da Assistência Social (Cras), da cidade que fica no Sul do Estado.

As atividades serão ministradas em parceria com a Secretária de Desenvolvimento Social de Tubarão, nos grupos de terceira idade dos Cras, no qual participam somente mulheres. No Cras do bairro Passagem, o trabalho acontece nos dias 9 e 16 de março, e no Cras do bairro Oficinas, nos dias 10 e 17 de março, das 14h às 15h30. O público estimado para participar é de 50 pessoas, com idades entre 60 e 80 anos.

O projeto tem o objetivo de resgatar e investigar, de forma artística, as memórias a respeito da enchente de 1974, ao trabalhar com a improvisação teatral e a contação de histórias. O trabalho, tem apoio dos professores do Departamento de Artes Cênicas (DAC) do Ceart, Filipe Brancalião e Vicente Concilio. O projeto foi contemplado no edital Aldir Blanc de 2021.

Segundo Túlio Fernandes, que é natural de Tubarão, e um dos facilitadores da oficina, a vontade de trabalhar com as memórias da cidade natal, começou em 2019. A partir de disciplinas do curso de Teatro, ele participou da performance "Narrativas de Infâncias para Ninar um Mundo Doente”, o que o levou a investigar memórias de infância e de sua família.

A partir dessas memórias, Túlio criou uma contação de histórias sobre a enchente de 1974 e foi quando percebeu a “potência do teatro ligado com as memórias locais”, como descreve, o levando a idealizar o projeto cultural, junto a colega de curso Geruza Bandeira. "Trabalhar junto aos Centros de Referência de Assistência Social vem ao encontro de facilitar o acesso à cultura para uma população em vulnerabilidade social e que não possuem ou possuíram um contato recorrente com a linguagem teatral”, acrescenta Fernandes que cita também a importância das pesquisas da professora Marcia Pompeo Nogueira, na disciplina Metodologia de Ensino de Teatro na Comunidade, que deu a base para a criação do projeto.