Governo do Estado inicia distribuição de kits de roupas para vítimas de violência sexual

Foto: Ricardo Wolffenbüttel / Secom

O Governo do Estado iniciou nesta sexta-feira, 25, a distribuição dos kits de roupas que serão entregues para vítimas de violência sexual atendidas nas unidades da Polícia Científica. A ação é fruto de uma parceria entre a Polícia Científica, a Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa (SAP) e a Rede Laço. Neste primeiro momento, foram confeccionados 100 kits, que fazem parte do Programa Santa Catarina por Elas. As bolsas contêm uma calça, um blusa, um casaco e roupas íntimas. As primeiras unidades serão distribuídas ao Instituto Médico Legal de Florianópolis, que atende toda a região metropolitana da Capital.

De acordo com a diretora do Instituto de Análises Forenses da Polícia Científica, Sandra Regina Rachadel Torres, os kits não apenas demonstram acolhimento às vítimas num momento de fragilidade, mas também representam uma maneira de manter intactas as roupas usadas no momento do crime. Dessa forma, aumentam as chances de obtenção de provas.

“As vestes usadas pela vítima são importantes para a área pericial. Se deixadas no laboratório num primeiro momento, elas serão usadas na pesquisa de material genético do agressor. Esse kit também tem o papel de fazer com que a vítima se sinta acolhida e talvez, mesmo que de forma simples, represente uma virada de página”, diz Sandra.

A perita criminal conta que, quando as roupas usadas pela vítima durante o crime não são deixadas imediatamente no laboratório, a coleta de provas ocorre em apenas 20% dos casos. Esse percentual cresce significativamente se o vestuário é preservado. As peças do kit foram produzidas por detentas de Chapecó, que foram treinadas pelo Senai e participam do programa SAP Têxtil. Além destas 100 primeiras unidades que ficarão em Florianópolis, outras centenas já estão em produção e serão enviadas para os IMLs do interior.

O ato nesta sexta-feira teve a presença da primeira-dama do Estado, Késia Martins da Silva, que também preside a Rede Laço, do presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial, Giovani Eduardo Adriano, e do secretário de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa, Leandro Lima.