Máscaras voltam a ser recomendadas como medida de proteção em SC

Foto: Coyot/ Pixabay

A medida visa proteção, tendo em vista o aumento de doenças respiratórias com a chegada do frio

Com o alerta no aumento dos números de doenças respiratórias em crianças no Estado de SC, Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) emitiu uma nota com recomendações de proteção contra a proliferação do vírus. Dentre elas, está a utilização de máscaras.

Esta medida faz parte de uma estratégia abrangente para proteção individual e coletiva contra infecções respiratórias, em especial a Covid-19. O órgão destaca que o uso e o descarte apropriados são essenciais para garantir sua eficácia e evitar riscos de transmissão.

Para isso, um passo a passo foi elaborado para auxiliar na forma correta de utilização:

  • Coloque a máscara com cuidado, de modo a cobrir a boca e o nariz, e amarre com segurança para minimizar o espaço vazio entre o rosto e a máscara;
  • Enquanto estiver usando, evite tocar na máscara;
  • Remova a máscara usando a técnica apropriada (ou seja: não toque na frente, remova o laço por trás);
  • Após a remoção ou sempre que tocar inadvertidamente em uma máscara usada, limpe as mãos usando álcool em gel 70% ou água e sabão;
  • Se a máscara ficar úmida, substitua por uma nova máscara limpa e seca;
  • Descarte as máscaras descartáveis após cada uso e imediatamente após a remoção.

Demais medidas protetivas

Além da recomendação pelo uso de máscaras, outras medidas foram citadas para conter o avanço das doenças respiratórias. São elas

  • Promover a vacinação contra a Covid-19 e a gripe (influenza);
  • Garantir que bebês prematuros e crianças pequenas (menores de 2 anos de idade) com certas doenças cardíacas e pulmonares sejam cadastradas pelas Secretarias Municipais de Saúde para receberem o medicamento Palivizumabe, como forma de prevenção da infecção pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR);
  • Realizar a testagem dos casos sintomáticos para Covid-19, orientando as medidas de isolamento diante da identificação de casos suspeitos, assim como o rastreamento dos contatos e a quarentena;
  • Higienizar as mãos com frequência, utilizando água e sabão por pelo menos 20 segundos, auxiliando as crianças pequenas a fazerem o mesmo. Se água e sabão não estiverem disponíveis, utilize desinfetante à base de álcool ou álcool gel a 70%;
  • Evitar tocar olhos, nariz e boca com as mãos não higienizadas;
  • Disseminar a prática da etiqueta da tosse, cobrindo a boca e o nariz com um lenço de papel ou com o antebraço ao tossir ou espirrar, jogando o lenço no lixo;
  • Limpar e desinfetar superfícies e objetos que as pessoas tocam com frequência, como brinquedos, maçanetas e dispositivos móveis;
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes, evitando beijar ou compartilhar copos, talheres ou objetos pessoais;
  • Evitar aglomerações e, caso não seja possível, manter uma distância segura (de, no mínimo, um metro) de outras pessoas ou grupo de pessoas, evitando retirar a máscara nessas situações;
  • Manter os ambientes bem ventilados, com portas e janelas abertas, de forma a permitir o fluxo de ar nos locais;
  • Orientar a população para que diante de sintomas gripais como febre, tosse, coriza, congestão nasal, dor de garganta entre outros é necessário procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento, utilizando a máscara e evitando a circulação em espaços públicos enquanto permanecer sintomático.