Operação investiga desvios de R$ 10 milhões do SUS em Araranguá

Divulgação PF

Na manhã desta quinta-feira, 12, a Polícia Federal cumpriu três mandados de busca e apreensão em Araranguá. As buscas foram expedidas pela 1ª Vara Federal em Criciúma. Conforme a PF, a nova fase é um desdobramento da operação iniciada em setembro de 2020, que teve sua primeira fase em novembro do mesmo ano. A segunda fase foi desencadeada em novembro de 2021, tendo iniciado a partir de representação de cidadãos inconformados com supostos mal feitos na aplicação de recursos públicos destinados ao Serviço Único de Saúde (SUS).

As apreensões fazem parte da nova fase da Operação Fuscus, tendo como alvo endereços empresariais e empresários suspeitos de participarem de um esquema envolvendo o superfaturamento de quantidades de produtos médicos, hospitalares e odontológicos, adquiridos para atender a rede municipal. Inclusive foram utilizados no enfrentamento de emergência sanitária da pandemia do Coronavírus.

No entanto, a organização criminosa teria movimentado em torno de R$ 10 milhões em cerca de 15 meses. As penas somadas podem chegar até 28 anos de reclusão.

A operação tem por objetivo custear trabalhos de investigações relacionadas as supostas práticas dos crimes de conluio (cumplicidade para prejudicar terceiro) e fraude ao caráter competitivo de licitações, falsidade ideológica, peculato e organização criminosa.

PF_nota_operação_fuscus_12-05-2022_DPF-C